quinta-feira, 1 de abril de 2010

Pulseiras do sexo estupram?


Pulseiras ESTUPRADORAS?

Três adolescentes ESTUPRARAM uma garota de 13 anos. ESTUPRARAM! E o que mais me choca, além da barbárie que é o crime, é com relação ao enfoque dado pelo noticiário, tanto na TV como na internet. Chegando ao absurdo de em um site do Correio Braziliense estar escrito assim: Aparentemente inofensivas, as “pulseiras do sexo”, fizeram sua primeira vítima na cidade de Londrina, no Paraná. Deixem-me ver se entendi direito: não foram os rapazes, sendo um deles maior e os outros menores de idade, que VIOLENTARAM a menina? Foram as pulseiras?
O que mais me revolta é que estão focando essa tragédia numas porcarias de pulseiras de plástico! O que tem que ser reforçado na divulgação dessa barbárie é o fato de três adolescentes terem ESTUPRADO COVARDEMENTE, aliás isso é uma redundância já que o estupro por si só já é uma covardia, mas três é um crime monstruoso. E vem culpar umas pulseirinhas... ora, onde é que nós estamos?!
Os jornais, em geral, têm divulgado a polêmica das “pulseirinhas do sexo”. Dizem ser um problema nas escolas, tanto que uma vereadora de Londrina, Lenira de Assis, fez um projeto na Câmara de Vereadores para proibir a venda das tais pulseiras. E eu pergunto duas coisas: Uma, se a garota estivesse sem as pulseiras, os garotos não teriam sido tão covardes e canalhas? Ou melhor, alguém tem o direito de estuprar outrem, já que este último está com uma “pulseira do sexo”? Segunda, proibir é o melhor remédio? Digo isso porque as drogas são proibidas e quem quer comprar sabe onde. E pior, adolescente adora coisas “proibidas”, pois eles gostam do desafio. Portanto, o tiro ainda pode sair pela culatra.
Outra coisa, tirando o peso do crime dos adolescentes e pondo nas “pulseirinhas”, a mídia acaba quase que inocentando os três garotos covardes, quando na verdade eles é quem foram os criminosos. É o monstruoso crime que deve ser destacado pelos jornais e mídia. O fato de a menina usar esses acessórios tem de ficar em segundo plano. Isso é mania, modinhas de adolescentes, nada que com bons diálogos e esclarecimentos não se resolva.
Espero que a justiça seja feita. Que ao invés de as “pulseiras” sentarem no banco dos réus, sejam os adolescentes que sentem, que cada um pague, conforme sua idade e obrigação com a Justiça.

10 comentários:

Gisele Schmidt Moitoso disse...

Pati, querida, meu comentário aqui será a resposta que dei ao e-mail que enviaste, obviamente adaptada, pois lá escrevi respondendo ao comentário de uma de nossas amigas.

Ela respondeu ao teu texto falando na questão do machismo. Concordei, dizendo que ela havia tocado exatamente no ponto sobre o qual eu refleti ao ler o teu e-mail:c trata-se da 'culpa' da mulher. A culpa que a nossa sociedade, que é atrasada e vive uma cultura sexista, coloca na mulher. Muitos pensam que se a mulher foi estuprada, é porque provocou. Já cansei de ouvir comentários do tipo, e o pior, até dentro de casa, na família, afirmações como: "se apanha é porque é sem vergonha, porque deve ter aprontado"; "se o cara mexeu com ela ou fez algo contra, é porque ela se veste como uma *#!%*#!%*, ou se porta como uma, então pediu e levou", entre tantos outros comentários absurdos. O pior de tudo: há mulheres que pensam e comentam isso. Repulsivo.

Uma mulher não pode se vestir da maneira como deseja? Não pode falar ou se portar da forma como quer? Uma menina não pode usar umas pulseiras que, mesmo associadas a uma brincadeira que tem determinado significado, parecem ser (e são) inofensivas, até porque nem todas as meninas que as usam conhecem o jogo? Agora me digam: se um homem sai sem camisa na rua é porque ele quer ser atacado por mulheres, está pedindo para ser 'abusado' por elas? Por que é que ainda hoje, em pleno século XXI, numa sociedade que se diz livre e democrática, valores machistas são disseminados dessa forma? Isso é revoltante.

Penso que se a própria mulher não fizer nada para modificar essa situação em que nos colocaram, ninguém vai fazer, então precisamos nos armar, impor nossas presenças, nossos direitos, nossa condição de igualdade com os homens. Precisamos ser feministas e tentar agregar os homens nesse movimento, pois apesar do que se pensa no senso comum, essa doutrina não é opositora ao machismo no sentido de elevar um dos sexos e diminuir o outro. O feminismo não valoriza a mulher em detrimento do homem; ela, na verdade, defende a igualdade de direitos entre homem e mulher. É disso que precisamos para um convívio digno e harmônico.

Beijos, querida!

Cris Mitsue disse...

Ooh, isso me indigna.

Agora só porque as "pulseiras do sexo" estão na moda entre os adolescentes, tudo é culpa delas. Se houver qualquer abuso e tiver a pulseira no meio, é culpa da pulseira.

Ou seja, a pulseira é a culpada disso tudo?? Nâo, né.. O pior é que a mídia torna isso uma graaaande notícia, passa horas falando nisso. Aí as pessoinhas lá com cabeça oca, ficam horrorizadas com as tais pulseiras..

Mas também os adolescentes provocam com isso. Agora que eles sabem que essas pulseiras levam a tais acontecimentos, então não usa, pô! E dúvido algum jovem não ter o conhecimento da coisa... Mas parecem que eles gostam (bem, eu sou uma exceção, ok?), estão pedindo pra isso.. se arriscam.

E, como você mesma disse, proibir não vai adiantar nada. O certo é culpar o culpado e não meras pulseirinhas...

Beijão, bom ter lembrado isso no blog :D

Menina disse...

Um absurdo, né?! Concordo com você. Estão desviando o verdadeiro foco da situação.
Espero que a justiça seja feita!


Feliz Páscoa para você também, querida!

Jefferson Dieckmann disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jefferson Dieckmann disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jefferson Dieckmann disse...

Têm causado polêmica nos últimos tempos, as chamadas “pulseiras do sexo”. Adolescentes tem sido atacadas e estupradas pelo fato de estarem usando as tais pulseiras. Como pai que sou, procurei obter mais informações sobre o assunto. Na Internet, descobri que: "Os adereços coloridos fazem parte de um jogo que começou na Inglaterra e chegou ao Brasil pela internet. Nele, a pessoa que tem sua pulseira arrebentada precisa cumprir a tarefa da cor correspondente.
A “brincadeira” pode ir de um simples abraço à relação sexual de fato." É lógico que estupros e ataques de qualquer ordem a qualquer pessoa é crime e nada justifica tais atos! Mas, penso que estamos vivendo em uma época em que a educação de nossos filhos está ficando mais a cargo da Internet e de estranhos na rua, do que dos pais e professores. Ocorre também, um fenômeno que impele todo mundo a usar acessórios e modismos, apenas por que "todo mundo usa". Se existem muitas pessoas tatuadas nas ruas, é quase que uma obrigação fazer uma tatuagem, também. O mesmo ocorre com brincos (muitos em cada orelha), "piercings" cravados nas mais diferentes partes do corpo, que vão desde sobrancelhas, nariz, boca, até as partes mais íntimas, como os órgãos sexuais. Isso, eu penso, nos remete aos hábitos e costumes mais bárbaros da antiguidade. Acho que o mesmo se aplica às tais pulseiras. O que um "jogo" inventado na Inglaterra faz nas nossas ruas, escolas e casas? De fato, os crimes cometidos contra as adolescentes são imperdoáveis e devem ser punidos de acordo com a lei, sim, mas será que os modismos não estão se tornando perigosos demais, principalmente para os mais jovens, que ainda não possuem uma personalidade formada? Atualmente, os jovens não se vangloriam de ter “ficado” com cinco, seis, sete parceiros diferentes em apenas uma noite de festa? O que dizer dos beijos ardentes dados em qualquer estranho, saudável ou doente, que se encontra nos festejos de carnaval nas ruas de nossas capitais? Não culpo as tais pulseiras, mas sim a total falta de orientação que os nossos jovens (estupradores e estupradas) estão tendo, tanto nas escolas como em casa. Infelizmente, em um mundo super desenvolvido tecnologicamente, estamos perdendo as mais básicas noções de civilidade, moral, decência e respeito aos direitos dos outros e nos deixando levar pelo culto ao corpo, seus adornos, seus modismos e a entrega à obscenidade como se fosse uma coisa normal. Enquanto isso, as mais básicas noções de moral e respeito às leis estão indo para as latas de lixo. As tais pulseiras são apenas mais uma conta nesse rosário. Infelizmente...

Anne Lieri disse...

Patricia,eu vi essa reportagem e me deu a impressão de que queriam dizer que,se a menina estivesse com as pulseirinhas,é porque o sexo foi com o consentimento dela!Fiquei violentada tb!Onde vamos parar?Eu tenho uma filha de 15 anos!Ela poderia ter comprado essas pulseirinhas sem saber!Simplesmente excelente seu texto!Cadeia neles!Bjs,

A Mina do cara! disse...

Diga-se de passagem, a mídia é uma comoédia...

Eu não tenho pique para fazer uma nova faculdade. Até tenho certa vontade. Vou fazer mestrado na área de literatura mesmo...

um beijo.

Marcelo de Andrade disse...

O mundo anda às avessas.

CAMILA disse...

Gostei muito do seu texto. Eu não uso muito pulseiras, mas fui avisada, pela minha tia, para não usar as pulseiras coloridas de plástico até então não sabia. Realmente você está certa, os estupradores merecem cadeia, mas fico pensado que quem teve essa ideia que é moda usar essas pulseiras também merece cadeia.
Éee... O mundo está perdido!