segunda-feira, 22 de março de 2010

Budapeste, livro do Chico

Terminei o livro do Chico "Budapeste". Gostei bastante da história, não é nada convencional. Conta a história de um homem que parece perdido, entre o amor de sua mulher e o de outra em que ele acabara conhecendo em Budapeste. Mas vai além, ele não está só perdido entre amores, está, na verdade, perdido nele mesmo.
O filme com o mesmo título já está nas locadoras, já ouvi falar que é muito bom.
Fica então a dica, se não tiver tempo para o livro, ainda tem o filme, que por sinal, ainda pretendo assistir.

6 comentários:

Jefferson Dieckmann disse...

Eu ainda não li o livro e nem assisti o filme, mas depois dessa tua indicação, vou procurar. Um grande abraço!

Marcelo de Andrade disse...

Eu gosto mais do estilo do Chico do que a história que ele contou. Já leu Gota dágua, escrito por ele em parceria com outro autor que me foge da lembrança. É uma peça de teatro. Fica a dica.

Cris Mitsue disse...

Aaah, pretendo ver o filme em breve... Agora pensando em ler o livro também.. Boa indicação a sua!

Beijão

Gisele Schmidt Moitoso disse...

Oi, Pati!

Eu sou suspeita para falar, não é mesmo?! Acho a obra maravilhosa, principalmente em relação à forma, ao estilo, mas não desmerecendo as ideias, a história em si. O perfil psicológico do protagonista foi ricamente composto e a dualidade foi muito bem trabalhada pelo autor e está presente desde os aspectos mais superficiais até os mais profundos, o que somente é possível verificar após várias leituras. Cada vez que se lê, surge algo novo e aí vem o questionamento: "Como eu não havia percebido isso antes?".

Bem... agora, se quiseres, podes ler meu TCC. :-)

Beijão, querida!

Gi

Pedro Teixeira disse...

E eu que ando à procura de um livro com que ocupar algum tempo. Vou seguir a tua sugestão e tentar procurá-lo nas livrarias de cá. Espero que não o tenham em Holandês :)

A Mina do cara! disse...

Os dois são muito bons!
Este livro eu li e gostei mais que Leite Derramado, o mais recente do Chico.

Conheci seu blog pelo Coisa de Menina. Muito legal!

um beijo, Márcio